Caminhos...

Faz um bom tempo que não escrevo sobre mim por aqui.


Não senti-me inspirado para escrever qualquer coisa que seja.


Mas estou estranho esses dias, me sinto triste, cansado, paranóico. Cheio de "janelas killer" abertas e com um monte de impurezas entrando.


Um dos motivos que pensei que fosse a causa de tudo isso seria meu TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), as pessoas contidas no grupo e a forma de trabalho delas que estão me incomodando, mas observei dentro de mim mesmo e vi que existe algo mais.


Ando tendo Flashbacks de quase tudo que aconteceu na minha vida, desde a minha infância até agora. Passando por brigas, calúnias, chateações, medos, raivas, desistências, falta de estímulo, punições, receios, privações, demissões, dúvidas. Coisas que em uma pessoa normal seriam tidas como insuportáveis, sofríveis, mas no Russo seria algo normal. Russo? Fico lembrando como surgiu e porquê surgiu e não se foi mais da minha vida esse falso cognitivo da minha vida. Sou Russo? Sou de São Petersburgo? Moscou?


Aparece a dúvida, de onde vim e para onde vou?


Eu tenho um jeito de trabalhar, viver, me divertir e as vezes quero que os demais sejam iguais a mim, mas em boa parte das vezes eu abro mão de meus preceitos e permito que uma forma nova e "ideal" possa permear em meio aos fatos. Mas isso não vem ao caso, nem tem motivo, ou tem?



Ontem foi triste, algo que há anos não acontecia aconteceu, coisa banal, passei do ponto de ônibus que desço costumeiramente na cidade onde moro, o mais estranho que o fato de passar 2 pontos foi algo que me fez pensar: Porquê isso ocorreu? Me perguntei durante o tempo em que esperava outro ônibus para fazer um caminho diferente do que havia planejado. O que será que houve? além é claro dos dias em que estou completamente calado, também sem uma justa explicação.


Hoje voltou a ocorrer o tal défcit de atenção. Estada retornando de uma feira de negócios, peguei um ônibus que nunca havia pego, fui por um caminho completamente novo para mim e desci vários pontos depois do planejado. Tive então de retornar o caminho em um outro ônibus do contra-fluxo e ir ao meu destino.


Não sei o que acontece, mas sei que é triste por dentro. Hoje de madrugada assistindo a ginasta olímpica Jade e suas maravilhosas acrobacias que por muito pouco não puderam ser concluídas me senti solidário. A fisionomia dela e as lágrimas que escorriam de seu rosto apareceram em meus olhos, parecíamos ligados nesse mesmo evento. Senti-me dentro do "eu" da Jade e sofri igualmente. Novamente, há motivo? Não. Nem mesmo a conheço e foi a primeira vez que assiti tal esporte nas Olimpíadas, só tomei conhecimento dela (jade) nesse dia.


Mais uma vez vem a pergunta sobre o que tenho. Não sei mesmo. Gostaria de saber, mas só sei que dói e é uma dor que não sei curar.


Outro fato em minha vida é o fato de eu estar amando. Tenho alguém em meu CORAção. Não sei se o amor é recíproco, certezas nesse jogo são quase nulas. Sei apenas que existe um sentimento, aliás, vários deles. Sinto que podemos dar certo, mas há alguns atos que me fazem ter um sentimento de solidão. Causa tristeza, as vezes ansiedade e de volta o medo. Na maioria das vezes não sei o que pensar, mas não mudo o que sinto, isso não dá.


Junte todas estas palavras, some-as, multiplique, divida, subtraia, radicie, racionalize e não terá resposta de nada. Assim saberá o que há comigo agora. Não sei.
Só sei que há.

0 Xingamentos: